Domingo, Setembro 19
Shadow

A CONFISSÃO

 

Dom Adelar Baruffi
Bispo de Cruz Alta (RS)

 

No Ano do Jubileu Extraordinário da Misericórdia, que o Papa Francisco instituiu, em 13 de março de 2015, escrevi algumas “Orientações Pastorais sobre a Misericórdia e o Sacramento da Reconciliação”, em 20 de fevereiro de 2016. De fato, tinha como objetivo experimentarmos a misericórdia divina e um estilo de vida misericordioso. Na oportunidade, salientei que queria “sublinhar o valor e a beleza do sacramento da Reconciliação, como lugar privilegiado da manifestação gratuita da misericórdia de Deus, que nos move a sermos “misericordiosos como o Pai” (Lc 6,36)” (n.2). Neste tempo de pandemia, neste ano mais em casa do que nas comunidades, mais nos ambientes familiares do que nos retiros e formações, nossos católicos precisam novamente ter o sentido deste sacramento. Pode ter sido insuficiente em nossos católicos a iniciação cristã, que não conseguiu fazer nossos cristãos verem este rosto misericordioso de Deus. Faltou a experiência da gratuidade do homem, amado para amar, e, nunca, marcado pela justiça fria e cega. A misericórdia é gratuidade pura.

Mas, sem dúvidas, a grande causa é o esfriamento da fé, que leva a um afastamento da penitência. Em todas pessoas pode-se perceber uma falta da busca do sacramento da penitência. Sabemos que não é fácil confessar os pecados. Exige um grande ato de humildade. O próprio fato, em si, de poder falar de si mesmo a alguém que escuta com o coração já é libertador e possui um caráter de não permitir que nossa consciência se acostume com o erro ou a não mais vê-los como pecado. A descristianização e o secularismo da sociedade, leva a perder a fé, no sentido do pecado e da necessidade da confissão. A nossa autorreferencialidade humana é o critério para nossas decisões morais, levando ao relativismo. A antropologia cristã não é ingênua: sabe que no coração humano residem a ambição, o ódio, a violência e o egoísmo. Especialmente no nosso tempo, onde tantos se deixam levar pelos meios de comunicação social, o pecado está muito presente, sobretudo pelo sentimento interior, pela divisão existente e pelas palavras ditas.

Mas, não basta pedir perdão a Deus diretamente? Nosso Papa responde: “Não basta pedir perdão ao Senhor na própria mente e no próprio coração, mas é necessário confessar humildemente e com confiança os próprios pecados ao ministro da Igreja. Na celebração deste Sacramento, o sacerdote não representa somente Deus, mas toda a comunidade, que se reconhece na fragilidade de cada um de seus membros, que escuta comovida o seu arrependimento, que se reconcilia com ele, que o encoraja e o acompanha no caminho de conversão e amadurecimento cristão. Alguém pode dizer: eu me confesso somente com Deus. Sim, você pode dizer a Deus “perdoa-me”, e dizer os teus pecados, mas os nossos pecados são também contra os irmãos, contra a Igreja. Por isto é necessário pedir perdão à Igreja, aos irmãos, na pessoa do sacerdote” (Audiência Geral, 19/02/14). Não devemos temer a confissão de nossos pecados. Como o filho pródigo arrependido, nós também temos necessidade de dizer a Deus Pai o que nos pesa e a esperança que carregamos de uma vida nova.

A confissão de nossos pecados é uma graça, que cura e liberta. O próprio sacerdote, ao acolher, sabe-se pecador e necessitado da graça do perdão. Quando nos apresentamos ao sacerdote, “que se sinta pecador, que se deixe surpreender, ser tocado por Deus. Para que Ele nos preencha com o dom da Sua misericórdia infinita, temos de sentir a nossa necessidade, o nosso vazio, a nossa miséria” (FRANCISCO, O nome de Deus é misericórdia, 2016, p. 77).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *