Domingo, Setembro 19
Shadow

EM SEGUNDO VÍDEO, PASTORAL CARCERÁRIA FALA DO AVANÇO DA PANDEMIA NOS PRESÍDIOS BRASILEIROS

2º vídeo da Pastoral Carcerária

No segundo vídeo da série sobre a sua missão, a Pastoral Carcerária denuncia o avanço do novo coronavírus nos presídios brasileiros. Segundo a coordenadora da Pastoral Carcerária, irmã Petra Pfailler, a situação dos presídios, já caracterizada pelo Supremo Tribunal Federal como estado de coisas inconstitucionais, deixa claro que o Estado brasileiro vem fazendo uma opção reiterada pela barbárie.

Segundo ela, nos presídios com superlotação, não é possível manter o isolamento social, como forma de prevenção do contágio do novo coronavírus. Para a religiosa, a pandemia fez com que os cárceres, já fechados à sociedade, se fechassem ainda mais.

No vídeo, a Pastoral Carcerária denuncia a falta de transparência sobre as reais medidas que estão sendo tomadas para combater a pandemia das direções das unidades prisionais e das secretárias de segurança pública dos estados brasileiros. “Estas organizações estão deixando deixa familiares e organizações da sociedade civil no escuro em relação ao que está sendo feito”, disse a coordenadora nacional da Pastoral.

Veja o vídeo sobre o avanço da pandemia nos presídios brasileiros:

Série de vídeos sobre a Missão da Pastoral Carcerária

O primeiro vídeo da série explica a origem, o que é a Pastoral Carcerária e o trabalho de evangelização que faz junto aos presos e presas. A Pastoral Carcerária defende que a assistência religiosa é um direito das pessoas privadas de liberdade.

No primeiro vídeo da série, o arcebispo de Belo Horizonte e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, dom Walmor Oliveira de Azevedo, fala da missão da Pastoral Carcerária: levar ao coração de apenados a força capaz de transformar todas as pessoas – o Evangelho de Jesus Cristo”, disse. Dom Walmor ressaltou que é necessário que homens e mulheres abracem e leve Jesus Cristo aos presídios brasileiros

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *