Quinta-feira, Maio 26
Shadow

Papa Emérito Bento XVI: dor, vergonha, e sincero pedido de perdão

O Papa emérito Bento XVI

Por Thais Helena (Redação Correio da Semana) – Em carta escrita por Bento XVI aos fiéis de Munique, na Alemanha, o Papa emérito fala sobre a pedofilia clerical, recorrendo as palavras: “mea máxima culpa”.

De acordo com o site Vatican News, o Papa emérito Bento XVI intervém direta e pessoalmente por ter uma palavra a dizer acerca do relatório sobre abusos na Arquidiocese de Munique e Freising, sul da Alemanha, onde foi arcebispo por menos de cinco anos. Ele o faz em um texto com sabor penitencial, contendo sua “confissão” pessoal e um olhar de fé sobre a “grandíssima culpa” dos abusos e dos acobertamentos.

Na primeira parte da carta, Ratzinger agradece àqueles que colaboraram com ele na visualização do material documental e na preparação das respostas enviadas à comissão. Como já havia feito dias atrás, ele pede desculpas novamente pelo erro, absolutamente não intencional, de sua presença na reunião de 15 de janeiro de 1980, durante a qual foi decidido acolher na arquidiocese um padre que precisava de tratamento. Ele também diz estar “particularmente grato pela confiança, apoio e orações que o Papa Francisco expressou para mim pessoalmente”.

Na segunda parte da missiva, o emérito se diz impressionado com o fato de que todos os dias a Igreja coloca no centro de cada celebração da Missa, “a confissão de nossa culpa e o pedido de perdão. Rezamos publicamente ao Deus vivo para perdoar nossa culpa, nossa grande e grandíssima culpa”. É claro, continua Bento XVI, que “a palavra ‘grandíssima’ não se refere da mesma maneira a cada dia, a cada dia singularmente considerado”. Mas a cada dia me pergunta se também hoje não devo falar grandíssima culpa. E me diz de forma consoladora que por maior que seja minha culpa hoje, o Senhor me perdoa, se com sinceridade me deixo ser escrutado por Ele e estou verdadeiramente disposto a mudar a mim mesmo”.

Joseph Ratzinger recorda, em seguida, suas conversas cara-a-cara com as vítimas de abusos cometidos por clérigos. “Em todos os meus encontros, sobretudo durante minhas muitas viagens apostólicas, com vítimas de abuso sexual por parte de padres, olhei nos olhos as consequências de uma grandíssima culpa e aprendi a entender que nós mesmos somos arrastados para esta grande culpa quando a negligenciamos ou quando não a enfrentamos com a decisão e responsabilidade necessárias, como muitas vezes tem acontecido e acontece.”

“Como naqueles encontros – afirma o Papa emérito -, mais uma vez só posso expressar a todas as vítimas de abuso sexual minha profunda vergonha, minha grande dor e meu sincero pedido de perdão. Tive grandes responsabilidades na Igreja católica. Tanto maior é minha dor pelos abusos e erros que ocorreram durante o tempo de meu mandato nos respectivos lugares. Cada caso de abuso sexual é terrível e irreparável. Para as vítimas de abusos sexuais vai minha mais profunda compaixão e lamento cada caso.”

Em seguida, Bento XVI diz que compreende cada vez mais “a aversão e o medo que Cristo experimentou no Monte das Oliveiras quando viu todas as coisas terríveis que teria que superar interiormente. O fato de que naquele momento os discípulos estavam dormindo infelizmente representa a situação que também hoje ocorre novamente e pela qual também me sinto interpelado. E por isso só posso rezar ao Senhor e a todos os anjos e santos, e a vós, queridos irmãos e irmãs, que rogueis por mim a Deus nosso Senhor”.

Ratzinger conclui sua carta com estas palavras: “Muito em breve me encontrarei perante o juiz supremo de minha vida. Embora eu possa ter muitos motivos de temor e medo quando olho para trás em minha longa vida, sinto-me, em todo caso, com ânimo alegre porque confio firmemente que o Senhor não é apenas o juiz justo, mas ao mesmo tempo o amigo e irmão que já sofreu Ele mesmo minhas insuficiências e é, portanto, como juiz, ao mesmo tempo meu defensor (Paracleto). Em vista da hora do julgamento, a graça de ser cristão torna-se clara para mim. Ser cristão me dá o conhecimento, mais que isso, a amizade com o juiz da minha vida e me permite atravessar a porta escura da morte com confiança”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *